fbpx

A Medicina dos Homens – Um estudo sobre a ótica do Cientista Okada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Ainda sobre questões sobre a saúde do ser humano, existem pontos da Medicina atual que acho realmente incompreensíveis. E que pontos são esses? Trata-se do fato de a Medicina não ouvir, de forma alguma, a opinião de pessoas que não sejam especialistas médicos, isto é, de terceiros. Esta postura é mais acentuada na parte clínica. Em outras palavras, ela acha perniciosas as opiniões de terceiros no que diz respeito à: doença, saúde e higiene. A manifestação notória disto é a grande tendência, por parte da Medicina, em rejeitar os tratamentos alternativos, considerando-os perigosos, e os terapeutas populares, tachando-os de charlatães.

Ao pensar no porquê dessa atitude de considerar perigoso tudo que não diz respeito à medicina ocidental e não reconhecer o seu valor, creio que se deve por acharem que esses tratamentos não estão baseados na Ciência. A realidade é que a medicina não presta atenção nem se preocupa em absoluto com os resultados. Essa arbitrariedade se deve, na grande maioria das vezes, ao endeusamento da Medicina.

Contudo, para nós, o importante é a cura da doença. Almejamos apenas que os doentes sejam curados e obtenham plena saúde. Haveria necessidade de se buscar ou se desejar algo mais além disso? A preservação da nossa vida e também da saúde do nosso corpo é um problema real. Não existe Ciência ou teoria que abale essa realidade. Nesse sentido, a verdadeira Medicina é aquela que cura a doença; se não curar, é uma pseudomedicina. Por isso, acreditar na Medicina que cura é devoção, e na que não cura, obviamente, é superstição. Também é verdadeira a Medicina que consegue explicar radicalmente a causa das doenças, não apresentando uma mínima contradição com a realidade. A Medicina que não consegue explicar a causa das doenças, considerando-a como desconhecida e mostrando discrepâncias com a realidade, é pseudomedicina.

Isso é evidenciado no livro “A tuberculose e a vida”, de autoria do Dr. Kunishima Kihatiro, que afirma: “Há cem anos atrás, gastava-se cerca de quatro semanas para a cura completa do tifo; atualmente, ainda se gasta o mesmo tempo. O mesmo acontece com a pneumonia, que ainda necessita de aproximadamente uma semana para sarar, como acontecia no passado. Assim sendo, não podemos reconhecer qualquer progresso no tratamento médico.”

Assim, através da Medicina endeusada, mesmo no caso em que o resultado do tratamento não corresponda ao que o médico garantir, é raro encontrar pessoas que questionam o motivo da contradição. Além disso, mesmo que o paciente seja diagnosticado e tratado erroneamente, e tenha dúvidas sérias a respeito disso, ele não pode queixar-se ou protestar. A queixa e o protesto são interpretados como uma blasfêmia à Medicina “endeusada” e, desde que se trata de uma coação à Medicina, esse tipo de situação pode causar-lhe sérios embaraços. Por esse motivo, a tendência é a ignorar-se a lei. Ouvimos, com frequência, casos de pessoas que, ao tomarem uma injeção, faleceram na mesma hora. Não são poucos os casos de pessoas que, após tomarem vacina contra determinada doença, foram acometidas desse mal de forma ainda mais intensa (assim como outros tipos de vacinas).

Verifica-se igualmente no seguinte fato o princípio da supremacia do estudo. A título de pesquisa, são realizadas cirurgias de alto risco e usados remédios novos. Quantas vidas preciosas não estarão sendo sacrificadas em nome da pesquisa? Se esses fatos forem evidenciados, quão surpresas ficarão as pessoas? Porém, não há o que fazer uma vez que a base da Medicina está constituída de tal forma, que não há meios de sequer olharmos o interior do “palácio misterioso”. Os médicos poderão dizer: “Se for para salvar a vida de milhares de pessoas, não há problema em sacrificar a vida de uma pessoa”. Todavia, acredito que, mesmo matando milhares de pessoas, não estão conseguindo salvar nenhuma.

Existe também o seguinte motivo. Não resta dúvida de que a atual Medicina do Japão baseia-se na Medicina alemã. Dizem que, logo na primeira página do livro alemão de Medicina está escrito: “Nos casos de não se descobrir a causa da doença, antes de mais nada, deve-se pegar o bisturi e abrir a pele e a carne”. Acredito que a Medicina realiza cirurgias seguindo esse ensino à risca. Ouvimos, com muita frequência, que, após ser feita a incisão, não foi constatada nenhuma enfermidade. Pobres pacientes que são vítimas desse procedimento! Através de inúmeras experiências, estou ciente de que, após tal cirurgia, mesmo que haja uma cicatrização perfeita, a saúde da pessoa terá recebido influências negativas.

Como sempre afirmo, a Medicina Ocidental avança impetuosamente pelo caminho cego do materialismo e, quanto mais ela progredir, maior será seu perigo para a humanidade. No entanto, como a humanidade acredita cegamente na Medicina Ocidental e é incapaz de descobrir sequer uma faceta dos seus equívocos, trata-se de um fato lastimável!

Como vimos na afirmação do Dr. Kunishima, a Medicina não apresentou nenhum progresso nos últimos cem anos (exceto pela tecnologia e criação de remédios mais poderosos). Se isso for verdade, significa que tanto o trabalho do grande número de pessoas que se dedicam à Medicina quanto o consumo de grande quantidade de materiais e recursos financeiros, não trouxeram benefícios para a humanidade. Falando francamente, para o nosso espanto, o grande consumo de tempo e material já citado é, na realidade, em prol do bem-estar social, mas que está promovendo o enfraquecimento da saúde, aumentando o número de doentes e ameaçando a vida humana.

Acredito que, com certeza, chegará, num futuro bem próximo, a hora em que o grande número de pessoas que se dedica à Medicina irá despertar para essa realidade. Trata-se, pois, de uma questão que apresenta a necessidade de se pensar em como proceder nessa ocasião.

Sei também que um grande número de médicos, com vasta experiência e habilidade, já despertou para o fato de que a Medicina Ocidental encontra-se num beco sem saída. Portanto, não tenho a menor dúvida de que chegará a época em que aparecerão, sucessivamente, médicos que confirmarão a eficiência da minha Medicina e farão uso dela para solucionar os problemas de saúde da população. É verdade que, atualmente, há muitas pessoas que, como médicos, hesitam em nos procurar, devido a várias barreiras, como força das circunstâncias, posição social, situação financeira, etc. Mas, gostaria de estimular a decisão desses médicos bem intencionados. O maior problema, no momento, é o grande número de médicos que ainda acredita cegamente na supremacia absoluta da Medicina Ocidental, considerando não haver nenhuma outra superior e que nem irá surgir. Educar essas pessoas é uma questão que exigirá maior esforço daqui por diante. Porém, isso não será problema se soubermos que, no período de Transição de todas as coisas, seja o que for, será impossível contrariar a tendência geral (isso ficará claro, e as pessoas entenderão de pronto nossas explicações).

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email