fbpx

A Medicina Espiritualista

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

A seguir colocaremos alguns fatos sobre a medicina Espiritualista. Atualmente, tanto os médicos, evidentemente, e as pessoas da classe intelectual, interpretam, sem exceção, da seguinte forma a respeito da realidade das doenças que são curadas através da . Eles acham que no caso da doença, geralmente a ação psicológica é grande; por isso, quando a pessoa recorre à cura pela fé, os missionários dessa religião, por exemplo, falam muito com destreza sobre os benefícios divinos e levam a pessoa a pensar que será curada infalivelmente. Como a pessoa encontra-se numa situação difícil em que mesmo com o tratamento médico e demais tratamentos não obteve a cura, acaba acreditando piamente. Só esse fato já direciona psicologicamente o doente ao restabelecimento; por isso, evidentemente não se trata de nenhum benefício divino.

Por esse motivo, não há o que fazer, pois, mesmo ouvindo sobre os maravilhosos milagres manifestados pelo nosso tratamento, acabam encerrando o assunto interpretando da maneira acima. Sempre que isso ocorre, ficamos indignados e perplexos. Se bem que não há o que fazer em pensar assim, uma vez que grande parte dos tratamentos religiosos de até então agiam (ou agem) desta forma – não é o nosso caso.

Todavia, o Tratamento de doenças da nossa Instituição – a Terapia Japonesa, difere fundamentalmente dos demais (religiosos ou não). A seguir, vou expor de forma detalhada a seu respeito. Em primeiro lugar, aqueles que vêm em busca do nosso tratamento evidentemente o fazem com desconfiança desde o início. Obviamente, isto se deve originariamente aos jornais e revistas, grande parte das pessoas da sociedade e principalmente aos intelectuais que consideram que a doença deve ser curada com remédios. Por isso, eles acreditam terminantemente que se trata de uma Medicina que alcançou o atual e magnífico desenvolvimento e imaginam que, além dela, não há nada capaz de curar a doença. Além disso, na atualidade em que as pessoas têm se entregado com tranquilidade à Medicina que atua não só com os remédios novos descobertos recentemente nos Estados Unidos, mas, por exemplo, através de equipamentos e aparelhos médicos elaborados e das cirurgias delicadas, esse tipo de tratamento de doenças de instituições novas é uma questão insignificante. Será o fim se acreditar numa coisa dessa, pois poderá sofrer graves consequências. Isso sim é a pura superstição. Como as pessoas lhe dizem assim, acaba achando que elas têm razão e, mesmo tendo oportunidade de fazer tratamento espiritualista (ou energético), deixa escapar. Porém, sem reservas, a doença vai piorando cada vez mais e, no final, quando são encurraladas à beira da morte, as pessoas que por si mesmas ficaram desgostosas com o tratamento médico acabam se entregando à nossa Instituição, ao nosso Tratamento. Essas são pessoas extremamente afortunadas, pois a maioria passa para o outro mundo presa ao tratamento médico, o que é um fato realmente lamentável. Assim sendo, o doente não obtém a cura da doença, gasta-se uma fortuna e assim só aumenta os sofrimentos. E justamente nesse momento de agonia e angústia casualmente ouve sobre a nossa Instituição, mas ignora-a achando que nesta época atual em que a Ciência se encontra tão desenvolvida, não é possível que haja algo tão misterioso assim. Mas, como não tem outra saída, a maioria nos procura com o pensamento: “Vou fazer de conta que fui enganado e experimentar pelo menos uma vez”. Praticamente não há pessoas que acreditam desde o início. Consequentemente, em absoluto existe a ação psicológica.

Assim, quando a pessoa vem à nossa Instituição (clínicas e consultórios), fica espantada, pois uma pessoa que aparenta ser responsável e que não possui nenhum conhecimento da Medicina, sem usar remédios ou qualquer outro equipamento e aparelho médico e sem tocar no doente, realiza tratamento apenas levantando a mão no espaço (após uma breve investigação). “Não consigo imaginar que através de um ato tão simples possa curar doenças tão graves que nem mesmo os doutores e grandes hospitais conseguem curar. Mas, já que vim, não posso ir embora sem ao menos experimentar.” Para o seu espanto, ao receber o tratamento, estranhamente sente-se uma sensação agradável e um grande alívio jamais sentido desde que ficara doente; por isso, a compreensão da pessoa fica ainda mais embotada. Mesmo que compreenda ou não, o que importa é que haja restabelecimento, portanto, por mais que a pessoa seja teimosa ou atéia, sofrendo uma mudança de 180 graus, passa a reverenciar imediatamente. Essa é a trajetória da maioria das pessoas.

Mesmo observando detalhadamente a realidade acima, em que parte do nosso tratamento será que está o alvo espiritual? Em contrapartida, como será que encontra-se a Medicina? Mesmo na parte espiritual, ela é praticamente incomparável.

Não só as autoridades, mas os órgãos de opiniões públicas, instituições educacionais, etc. têm enfatizado amplamente o progresso da Medicina considerando que não existe nada superior a ela. Quando as pessoas contraem doenças, as advertem de forma extremada dizendo para que as mesmas recorram ao médico, sem perda de tempo, antes que seja tarde demais, e sigam as suas orientações. E, por ser esta a maneira correta, jamais devem ficar indecisas em relação a outros tipos de tratamentos.

Além do mais, só de ver que ela encontra-se realmente com grandes hospitais, médicos renomados, instalações completas, equipamentos e aparelhos médicos elaborados, medicamentos novos, etc., é natural que as pessoas achem que através da Medicina qualquer doença pode ser curada. Por isso, hoje, a postura sensata é entregar-se com toda tranquilidade à Medicina. Por esse motivo, existem pessoas que acreditam na Medicina, mas não há quem desconfie.

Como vimos, enquanto a confiança depositada na Medicina é de cem por cento, a confiança depositada a nós é praticamente nenhuma, ou seja, é negativa. Apesar disso, as pessoas doentes que se submeteram a todos os tipos de tratamentos médicos acabam obtendo a cura assim que nos procuram; por isso, podemos dizer que a capacidade de cura entre o nosso tratamento e o médico é incomparável.

Analisando esse fato de forma imparcial, posso afirmar que a Medicina moderna é supersticiosa e a nossa Medicina, não. Ou seja, se perguntarmos: “O que é melhor: crer na Medicina e perder a vida ou ser salva não crendo nela?” Acho que não haverá pessoas que não ficarão atônitas. Ao observar a História, podemos compreender que, com a mudança de épocas, muitas coisas que ontem eram verdade hoje passam a não ser mais; portanto, não há nada de estranho nisso. O fato de uma lógica tão evidente como esta não ter sido compreendida até hoje deve- se realmente ao encosto do espírito do passado e também por não ter surgido ninguém que descobrisse isso. Por outro lado, há quem diga que, se por acaso ocorressem curas só com isso, não haveria necessidade de médicos e nem de remédios. Não posso deixar de responder que é exatamente isso: se os médicos e os remédios desaparecessem, também os doentes desapareceriam da face da Terra.

Conforme o exposto acima, a Medicina moderna é que vem a ser a maior superstição do mundo; portanto, a sua completa reformulação é o fator decisivo para exterminar a doença da humanidade.

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email