fbpx

A Medicina Moderna

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Analisando os fatos recentes da comunidade científica, e como todos sabem, o Dr. Waksman (Cientista Russo, Dr. Selman Abrahan Waksman – 1888), ganhador do prêmio Nobel pela descoberta da estreptomicina nos Estados Unidos, esteve visitando o Japão recentemente.

Nessa ocasião foi realizada uma Conferência promovida pelo Jornal Yomiuri,  e assim ele foi recepcionado calorosamente pelos profissionais da área e intelectuais. Na ocasião, apenas li a reportagem do Jornal Yomiuri; por isso, vou escrever, a seguir, sem entrar em detalhes, sobre o seu princípio fundamental.

Em relação ao remédio apresentado, o mesmo é uma substância antibiótica que é eficiente para enfraquecer e exterminar as bactérias causadoras da tuberculose. Além disso, ele faz enfraquecer a doença e aliviar vários sintomas por um período; por isso, atualmente, a sua descoberta está sendo motivo de repercussão mundial.

Visto pelo ângulo da Grande Natureza e conhecimentos mais profundos, posso assegurar que ele não é eficaz para a cura completa, mas estão contentes dizendo que no Japão, nos últimos anos, a taxa de mortalidade dos pacientes de tuberculose diminuiu repentinamente. Do meu ponto de vista, isso não significa absolutamente nada.

Isto porque, como sempre tenho dito, a Medicina moderna é extremamente imatura; por isso, obviamente não tem tocado na parte fundamental da tuberculose. Como se trata de um medicamento produzido a partir de pesquisas simples e superficiais, obviamente a sua eficiência será temporária – atualmente o crescente número da tuberculose no mundo comprova essa linha de raciocínio – vide relatório.

A melhor prova disso está evidente no seguinte fato: houve a redução da taxa de mortalidade, mas a taxa de ocorrência de doença não está diminuindo de maneira alguma. Consequentemente, não morrem e nem obtêm cura completa e só aumenta o número de pessoas ociosas de fisionomias pálidas; por isso, nem é preciso dizer que isso é muito mais negativo do que positivo para a sociedade e a nação. Evidentemente, estaríamos dispostos a levantar os braços e anunciar a nossa plena aprovação se, através de medicamentos novos, ocorressem realmente curas de doenças, aumentasse o número de pessoas fortes e sadias e diminuísse o índice de ocorrência de doenças, mas como a realidade é tal qual a que citamos acima, precisamos fazer com que despertem de sua cegueira.

Como o tempo passou e aconteceu exatamente o dito pelo cientista Okada, continuamos a seguir com seu texto: Entretanto, ao obter resultados incertos como esse, sentem-se gratos como se tivessem decapitada a cabeça de um demônio, e não só o próprio descobridor, mas até os demais cientistas louvam o feito; por isso, realmente sinto pena deles. Isso também tem acontecido devido à falta de compreensão da verdade; por isso, por mais simples que seja o resultado, já ficam exaltados e até acaba virando moda mundial. Com a “hydrazide” também ocorreu o mesmo. Simplesmente o ímpeto inicial sumiu e ultimamente a sua venda caiu inesperadamente, e estão dizendo que os fabricantes estão com a corda no pescoço.

Além disso, o que devemos nos atentar é que, mesmo diminuindo o número de mortes por tuberculose, a realidade é que, por sua causa, outras doenças estão aumentando. Recentemente, li nos jornais um relatório, no qual dizia que na França e em outros países europeus, apesar de ter reduzido o número de tuberculose, tem aumentado o de câncer e de outras doenças; por isso, precisamos analisar profundamente o assunto.

Nesse momento parece que o uso de remédios como esse e outros antibióticos confirma a seguinte assertiva do cientista: Como pudemos ver, mesmo que seja possível controlar a tuberculose temporariamente por meio de medicamentos, se há o perigo de se transformar em outras doenças, significa que o resultado foi apenas a divisão da doença.

Mesmo que digam que houve avanço nos medicamentos, no geral, o número de doentes não tem diminuído, o que ilustra bem a realidade acima.

Falando claramente sobre a causa disto, a Medicina está presa apenas na bactéria, pelo fato de ainda não ter alcançado devidamente o progresso, e se baseia no pensamento elementar de que basta apenas matar as bactérias – nos parece que os fatos atuais em 2020, confirmam as argumentações do texto.

Relacionado a isso, vou expor, a seguir, o princípio básico. Originariamente, as bactérias são, na realidade, produtos consequentes e não se trata de origem. Isto é, inicialmente surge um ninho em alguma parte do corpo e aí nascem as larvas de bactérias, que aos poucos vão crescendo e se tornam adultas. São estas as que visualizamos através dos microscópios. Por isso, para erradicar a tuberculose, o fundamental é destruir esse ninho, a origem. Porém, como eles não têm esta compreensão, consideram bons os remédios que exterminam as bactérias, e assim, na atualidade, se empenham em descobrir sucessivamente novos medicamentos; por isso, do meu ponto de vista, não passa de um esforço em vão. No entanto, através da Terapia Japonesa EHT da nossa Instituição, a tuberculose pode ser completamente curada. Além do mais, após a cura, a pessoa fica mais saudável do que antes da contração da doença, pelo fato da Terapia Japonesa EHT destruir por completo a fonte do surgimento das bactérias.

Acredito que puderam compreender que o princípio e o método de tratamento de doenças criados por mim são Ciências Avançadas. Contudo, por serem teorias de um espiritualista, as pessoas sequer procuram analisar e já taxam de anticientífico. Dessa maneira, elas estão presas à superstição científica; por isso, sinto premente necessidade de destruir esta superstição o mais rápido possível. E a realidade é o que estamos tentando demonstrar com fatos e essas explicações.

Compartilhe este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email